segunda-feira, 11 de abril de 2016

Alquimias da Bruxinha - Espaço Encantado

Bem, normalmente eu escrevo dez matérias por mês. Porém, depois de uma visualização por um certo post eu falei "seria bacana ver esse novo espaço na cidade". E fiz muito bem! Pois acredito que Alquimias da Bruxinha reflete bem o que seria um espaço aberto, como o nome do meu  blog indica. Já explico.
Alquimias da Bruxinha - Espaço Encantado é um espaço multifuncional administrado por Liliane Provenzano. Criado em 07 de Março de 2016, é um lugar que traz uma aura mágica desde sua entrada. Com um lindo poço dos desejos, literalmente, tiveram essa preocupação de colocar algo assim pouco antes da entrada. Na área referente a loja, logo que chegamos nos são apresentado diversos artigos a venda: entre os itens estão produtos feitos artesanalmente para banhos de ervas, óleos(alguns afrodisíacos, outros para fins mais meditativos acredito eu), sabonetes, cosméticos, perfumes, filtros de sonhos, cristais, camisas e livros. Alguns desses itens são produzidos por eles mesmos. Os livros me interessaram muito. Sobre as camisetas tem estampas de diversos estilos com teores culturais extremamente variados. Falarei disso mais a frente.

Além disso, existem outros dois espaços que servem para diferentes funções. Temos um que é usado para palestras todas as sextas as 18:30 com término as 20:00. A última foi sobre essências herbóreas dos orixás e sempre tem uma relação de quais serão as próximas palestras. A outra é uma sala para atividades físicas. Onde são feitas aulas de dança da lua, relaxamento e meditação, alinhamento energético e regressão. Um lugar realmente multifuncional. Na verdade, mais coisas estão sendo planejadas para o espaço. Quando tiver você pode acessar a página dele no Face e visitar. Será extremamente bem tratado, eu sei!
Ele foi uma criação de Carlos e sua mulher Liliane, que já estão relacionados com o Instituto Ubiratan de Pesquisa e Expressão do Potencial
Humano. Além de que ele tem mestrado relativo a ciências da religião, já ela em hospitalidade tratando sobre o sagrado feminino na  umbanda. Sinceramente, é algo maravilhoso, pois são pessoas que realmente sabem do que estão tratando. Acho engraçado quando entro em um lugar e normalmente o, serviço ou produto, é vendido sem conhecimento. Mas aqui não! O pessoal além de lhe tratar super bem, compreende bem sobre aquilo que estão lidando! Awesome!!!
Uma coisa que podemos ver aqui é o tratamento aqui a determinadas culturas tem a ver com transreligiosidade.  O que é isso? Bem, até para mim é complicado definir isso, mas "visa transcender os aspectos comuns de religião, ainda respeitando os preceitos das outras". Tanto que
podemos ver produtos e aspectos de culturas e filosofias como a celta, hindu, cristã, espirita, feng shui, entre tantas outras. E tudo se encaixa de forma única!
Até o significado do nome possui um sentido mais espiritual ou filosófico. A alquimia era um procedimento que nas histórias da Idade Média, falavam na transmutação de materiais (transformar uma coisa em outra, que muitos falam ser o predecessor da química). Ao qual, os textos mais conhecidos se referem a transformação de chumbo em ouro. Lá, eles pretendem despertar o "ouro em você". 


sexta-feira, 8 de abril de 2016

Cultura punk: anarquismo através das periferias

Era para escrever sobre o Sarau Corpolivre, mas estive doente... Então, vou postar aqui sobre um grupo que já foi bem forte em Santa Isabel. Criando até histórias pesadas. Vamos ver aqui sobre parte da cultura punk.

Na década de 70 existiam muitas bandas no festival de Woodstock (que despontaram ícones do rock como Janis Joplin e Jimi Hendrix) que possuíam uma sonoridade e ideologia hippie. E não visavam uma questão política. Existiam grupos de músicos entediados com aquilo, que não parecia ter uma finalidade prática. Queriam algo mais decisivo, mais direto, mais penetrante e contra o governo atual. Surgiam assim as raízes do punk.
Punk é uma gíria, ao qual ficou muito tempo esquecida sua origem e função. Tem um significado como algo sem valor, mau, pobre, ruim e algumas vezes sinônimo para prostituta.
Uma das maiores bandas, até os dias de hoje, conhecidos como "pais do punk" até hoje são o Ramones. Possuíam acordes simples, assim como suas letras, mas um peso muito maior em sua sonoridade. Era uma revolução musical para um período conturbado onde surgia esse estilo. Surgindo nas áreas de periferia de Londres, e depois para os guetos de Nova Iorque. Assim, atingindo todo nosso planeta.
Esse grupo, o Ramones surgiu em meados de 1971, em Forest Hills, bairro de classe média no Queens, em Nova Iorque. O heavy metal ainda estava nascendo, e os membros dessa banda não se importavam. Sua sonoridade era mais simples, ainda assim traziam maior violência, mesmo não possuindo uma qualidade para época. Ausências de solos, simples acordes era uma de suas marcas. Atualmente, todos os membros originais da primeira formação já faleceram.
Assim como o rockabilly tem influências de ideologia sonora do country e blues, o punk possuí também. O reggae. Isso pois os estilos, o rock e o punk sempre tiveram uma visão abraçando mais os grupos mais menosprezados naquela época, como os negros. Além disso mostrava o que ocorria nos países de forma mais politizada. Isso surgiu mais com o Sex Pistols, com uma temática e ideologia anarquista no conteúdo de suas letras. Isso foi uma revolução na visão das músicas da época. Até mesmo para os fãs de bandas novas, pois não continham o mesmo peso que os novos sons surgidos nas periferias. Além de ir muitas vezes contras as mídias capitalistas. Apesar disso temos muitas bandas surgidas através desse som, como The Adicts, The Damned, The Exploited, Bad Religion e The Clash. Se caracterizavam por ser algo que iam bem longe do som do rock alternativo e aos hippies da época, tentando coisas mais melodiosas.
Existe muita briga entre os Estados Unidos e Inglaterra, por qual país era o "berço do punk". Mas a grande maioria fala que foi a segunda.

O anarquismo é uma ideologia, originalmente elaborada por pensadores como Piotr Kropotkin, Tolstoi e Bahkunin, que iam contra o sistema de governo atual, como dito anteriormente. Ele visa que o homem não seria limitado por nenhuma amarra política e que pode viver sim em grupos sem as leis como as conhecemos hoje em dia. São contra qualquer tipo de preconceito como o contra homossexualismo ou de etnias. Um de seus lemas é "faça você mesmo".
Existem outros sub-gêneros (aqui vejam que escrevi assim, e não sub-cultura, ou seja de uma forma que sairiam daqui) como o anarcopunk. 
O visual punk demonstra mais ainda sua rebeldia com o sistema em que esta inserido. Coloco um fato um tanto quanto contraditório. Uso de coturnos militares. É dito que eles os usam para ironizar o militarismo presente nas metrópoles e cidades
atuais... Mas ao meu ver, isso não faz muito sentido. Bem cada grupo tem seus métodos. Moicano é um tipo de cabelo muito usado por eles como quase uma homenagem aos indígenas dessa tribo que lutaram com unhas e dentes contra senhores de terras e coronéis, para proteger o território que originalmente era seu. Lembrando que é um grupo de guerreiros, porém para fins benignos. Ao estilo em si, não se importam com moda ou outras coisas, mas sim com as atitudes.
Surgiam nessa época os zines, pequenas publicações escritas para disseminar os ideais punks. Muitas vezes fala sobre como é o dia-a-dia de um grupo assim.
Este movimento visa o combate ao racismo, anti-machismo, é contra a desigualdade social, contra o patriotismo. Onde o sistema capitalista é um inimigo da sociedade. O anarquismo seria um sistema que tenta tratar todos do mesmo modo. Sem maiores ou menores, mas sim da forma mais justa possível. 

Assembleia na Câmara Municipal de Santa Isabel: Plano Municipal de Cultura


Anteontem na Câmara Municipal de Santa Isabel, houve uma assembleia para discutir sobre o Plano Municipal de Cultura perante os presentes. Com isso ele terá o objetivo de instituir, à partir de sua aprovação as políticas culturais necessárias para auxiliar os artistas da nossa cidade. Já havia escrito um pouco sobre isso, assim como postei um post aqui mesmo no blog. Apesar de ter sido um número baixo até de pessoas (cerca de 30) a vontade daqueles que foram era de auxiliar, compreender e colocar a mão na massa quando a todo essa atividade.
Começando as 20:00 horas do dia 06 de Abril de 2016 foi algo bem simples e sucinto, para que todos pudessem compreender como funcionaria alguns aspectos do plano. A abertura da audiência foi feita por Emerson Bicudo. Em seguida, Josué Ferreira, secretário da cultura falou um pouco sobre o projeto. Depois foi a vez do presidente de políticas públicas de cultura Homero Vallone explicar de forma mais simples e direta o que era aquilo tudo. Além de uma fala do vereador Orlando e uma fala sem nexo de um tal de Luis Eduardo... O.o
Depois foi falado de forma rápida o Plano Municipal de Cultura de Santa Isabel por Emerson Bicudo e Pâmela Albuquerque. Por último, foi deixado um momento para os presentes tirarem suas dúvidas sobre tudo isso. Boa parte das pessoas estava a favor, os poucos contras tinham sim seus motivos para discordar. Cada um dando seu parecer sobre o assunto e mais de uma visão do todo. No final, foi feita uma votação se o plano deveria ser levado para a aprovação da Câmara Municipal e a decisão foi sim.
Dois pontos que preciso ressaltar da noite são:
Primeiro a da Lei de Incentivo a Cultura. Como dito no meu texto sobre o assunto "O Ministério da Cultura sempre apoia projetos de cultura, através da Lei de Incentivo a Cultura (Lei número 8.312/91). Assim como outras leis como a Lei Rouanet, da Lei do Audiovisual (Lei número 8.685/93) e também editais para projetos específicos.";
Segundo essa parte ao qual vou correr atrás, devido aos registros públicos:
Capítulo I
Art 2 proteger e promover o patrimônio histórico e artístico, material e imaterial
Sem contar a diferença do Plano Municipal de Cultura, da Lei de Incentivo a Cultura. De qualquer forma, agora é aguardar a boa vontade dos vereadores de Santa Isabel. Incentivem a cultura do município.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

A cultura isabelense de desrespeito ao trânsito

Como já falei da sujeira aqui em Santa Isabel, vamos a outro ponto recorrente: o desrespeito ao trânsito.
Vamos colocar tudo aqui de modo limpo e direto. Antes de tudo não sou nem sequer um pedestre decente. Sempre ando fora da faixa quando atravesso as ruas da cidade. E motorista sou pior ainda. Fiz a prova prática quatro vezes e ainda assim quando fiz a quinta (pagando quebra) não passei! Olha como sou ruim. Mas parafraseando Cazuza, "Pobre de mim que vim do seio dos desrespeitosos/ Sou ruim mas eu admito". Apesar de tudo isso tento modificar meus hábitos errados em relação ao trânsito. Não só aqui como em outras cidades. Por qual motivo digo isso? Pois a cidade de Santa Isabel forma motoristas descuidados, assim como pedestres e futuros motoristas do mesmo naipe. É o que posso falar no mínimo sobre essa situação.
Estamos entre cidades muito movimentadas.
Mas deveríamos seguir o exemplo de cidades como Guararema.
Vamos por partes: aprendi na parte teórica (ao qual me sai muito bem na prova, creio eu) que motos/bicicletas são consideradas como 50 cc. Ou seja, veículos ao qual seu motorista precisa de um tipo especial de carteira. Ok? Nada ok! Já vi um ex-aluno meu dirigindo uma dessas coisas sem nunca ter essa documento. E isso foi recente! Sem contar quando eu vi outro garoto que já foi meu aluno (tenho uma sorte com isso, não é?) descendo a Duque de Caxias com um carro. Detalhe: ele era da sétima série no ano! Como ele poderia estar com um veículo em mãos? E não podemos falar só de pais desatentos, mas de um controle no trânsito fraquíssimo.
Sem contar as pessoas que param na rua com seus carros pensando que a cidade é seu "estacionamento particular". Meu Deus! Motoristas de Santa Isabel, as ruas foram feitas para se dirigir, não para parar a seu bel prazer! E motoqueiros (pois motociclistas dirigem bem e respeitam o trânsito, como me diriam membros de moto clube), seus veículos não são brinquedos! Eles são meios de transportes e se não souber como funcionam eles tiram vidas! E será sua culpa a morte de outrem!
Já sabemos de vários fatos relativos a isso, inclusive com casos como o do aluno da ETEC, Luis. Nesse caso se deve a um condutor imprudente. Mas todos temos que melhorar nossa noção de trânsito: pedestres e motoristas.
Por último narrarei os videos abaixo:
A frente do Mercado Português. 07/04/2016.
Na frente do Mercado Português existe um semáforo que demora para dar passagem aos pedestres. E quando fecha para isso, demora cerca de 8 segundos para abrir novamente. O que é um tempo curto em relação a crianças ou idosos que passem por ali. No video, achei que não conseguiria pegar o flagrante de imprudência de motoristas. No começo, só consegui o de pessoas passando com sinal fechado. Porém, nos 0:25 segundos da gravação eu peguei dois carros passando com SINAL FECHADO! O primeiro, ainda tem uma certa desculpa, pois passou quase que no momento em que o os sinais trocaram. Mesmo com qualidade baixa, é claro a mudança para uma cor verde. Agora o segundo não, claramente ele passa sem nenhuma prudência. Sem contar que o estacionamento ali, cria vários problemas para o trânsito. Poderia ter gravado com um aparelho melhor (um Samsung Galaxy Tab 7.0 Plus), mas para não chamar a atenção usei meu celular (um celular LG, mais antiquado). Colocarei aqui o video nos dois formatos: original e do Youtube.
video


Ah relaxem que ele ainda na lista de posts que vou soltar por aqui. Aliás, dedico esse post a Adriana Mathias, já que ela me fez lembrar desse fato devido a uma postagem ontem sobre o desrespeito a limpeza da nossa cidade. Uma professora dedicada, que demonstra isso dentro e fora de aula.

Outra visão da contra-cultura e subcultura


Já escrevi que cultura é uma grande variedade de traços, costumes e conhecimentos dentro de uma sociedade. E que não necessariamente precisa surgir de um grupo letrado, altamente “civilizado”. Assim como os indígenas, astecas, maias e incas americanos ou aborígenes australianos. Eles não possuem uma escrita, como a conhecemos ou não a utilizam mesmo, só que de qualquer forma possuem uma simbologia, crenças e outras coisas que notamos parte de uma cultura.
Bem, já que vimos isso, recentemente li em um livro que o termo subcultura seria uma fusão de culturas dentro da sociedade. O que eu considero, sinceramente, sem sentido. Um exemplo que li são as “subculturas regionais” no Brasil sendo cada uma diferente da outra. Mas esses fatos nas culturas (sim para mim SÃO culturas) variam por região, costumes, geografia e história, entre outras coisas.
Se vamos tomar isso como verdade, então a religião católica é uma subcultura. Ela une as filosofias do mazdaísmo, mistraísmo, judaísmo, gnoticismo e maniqueísmo, por uma visão dos romanos, antigo povo pagão. Sem contar salmos na bíblia que foram claramente inspirados em preces egípcias. E isso pode ser usado para todas as religiões, povos, etnias e grupos de todo o mundo e definir assim.
Além disso, podemos falar sobre a contra-cultura. Ela simboliza um repúdio a ordem vigente que impera na sociedade atual. Mesmo assim, ainda usa de artifícios da cultura comum como a conhecemos. Em diversos pontos vemos isso nas suas ações. Dentro dos meios usados por seus praticantes temos show, passeatas, festivais, discos, livros, jornais, revistas, panfletos e grafite. Bem, boa parte do que foi escrito aqui, me lembra eventos artísticos comuns. Talvez não com a mesma finalidade, mas de qualquer forma usam o mesmo caminho.
Desde já digo que não sou contra os “diferentes tipos de cultura”. Quero só mostrar diferentes visões sobre o assunto. Quem só elogia, sem demonstrar críticas necessárias para a melhor compreensão de um assunto... Ou é por falta de conhecimento OU realmente não gosta daquilo. Duvidar as vezes é necessário.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Debora Almeida e Evandro Monzinho: Grandes talentos na dança


Debora com Suzy Hernandes
Talentos na cidade existem e sempre vão existir por aqui. E em pontos onde você menos imagina... Estou aqui para falar de Debora Almeida e Evandro Monzinho, seu marido e parceiro de dança. Vou escrever mais dela, já que foi a entrevistada da vez. 
Eles ensinam entre outras coisas, sertanejo universitário e vanera (é uma dança típica do Rio Grande do Sul, com origem alemã. Seu ritmo é influenciado habanera de Havana, Cuba). Além disso se arriscam nas danças de zouk, forró e pagode. Isso só demonstra a versatilidade e talento que possui assim como dedicação. 
Hoje em dia dá aulas na Academia Summer Fitness & Fun, localizada na Avenida República, 634. E um detalhe que é bom saberem, pois muitas academias por ai tem grande talentos na dança.
Ela acredita que através da dança, melhorou bastante seu relacionamento interpessoal, social. A dança faz com que tenhamos mais postura, equilíbrio, faz a gente esperar a condução do cavalheiro e com isso dá tempo de respirar e pensar no próximo passo.
Debora com Rubia Frutuoso
Ela já fez vários workshops (para quem não sabe são seminários ou cursos intensivos, de curta duração ao qual visam passar algum saber ou conhecimento, no caso dança. O que é ótimo, visto que é bem mais prático nesse caso) com pessoas conceituadas na área como Rúbia Frutuoso, Eglantine Oliveira, Edgar Fernandes, Justin Coelho, Beatriz Alves, Suzy Fernandes a atual rainha da dança (sertanejo). Não possuindo nenhuma formação específica, mas grande dedicação e aulas intensivas. Já se apresentou em São Paulo em lugares como o Baile da Élida, Rancho do Marinho, OcupARTE, na Festa do Rodeio em Santa Isabel, entre outros.
Possuí contato com outras escolas aqui da cidade. 
Talentos que devem ser valorizados por seu esforço!
Vou aproveitar e postar um video disponibilizado pela própria Debora. Ela esta de branco, calça preta. Confiram.
video

terça-feira, 5 de abril de 2016

Dança do ventre: origem e chegada no Brasil


Como existem muitos estúdios que difundem esse estilo de arte aqui na cidade, nada mais justo que uma pequena pesquisa mais aprofundada sobre o assunto. Logo mais falo de cada um dos estilos mais técnicos de dança e com maior história, como a contemporânea e cigana
Originalmente o nome da dança é racks el sharqim ou raqs sharqi, cujo significado do árabe é Dança do Leste. Mais tarde ela seria traduzida como danse du ventre, pelos franceses e norte americano como belly dance. Uma dança de origem oriental(por isso um dos nomes do estilo dança oriental árabe), cujo surgimento exato em termos de localização histórica e geográfica nos é desconhecida precisamente. Ou seja, não se sabe onde nasceu, nem quando começou.
Ao menos existem teorias de como teria surgido. A mais aceita fala que no Antigo Egito, as mulheres faziam isso em reverência as deusas. Ou seja, tinha caráter religioso, como um ritual. Além de que as apresentações eram em lugares reservados. Como uma referência a vida e fertilidade, assim como os ciclos da natureza.
Seus movimentos ondulatórios e batidos de quadril, as mulheres referenciavam a fertilidade, além de celebrar a vida. Ela originalmente, não era coreografada, assim como o teatro não era ensaiado no começo. Os movimentos surgiam com os sentimentos, criatividade e vontade da dançarina naquele momento da execução. Não havia "aulas" praticamente falando. Cada dançarina ensinava uma para a outra sobre os movimentos. 
Existem histórias relatando que os povos árabes ao dominar o Egito, teriam se apropriado da dança do ventre. Assim o disseminando pelo resto do mundo. Não há certeza sobre isso, no entanto.
O estilo teria nascido no Oriente Médio e na África do Norte provavelmente, teria chegado com as levas de imigrantes dessas terras. No mundo árabe, a dança ficava mais em uma questão mais privada. Mas hoje em dia moças que se interessaram por puro lazer, procuram saber tudo, incluindo suas origens (“raqs sharqi” como é chamada na terra natal).
O termo dança do ventre foi um termo usado pelos franceses para denominar a dança no período em que os imigrantes sírios e libaneses chegavam no Brasil. Além de ter agradado aos americanos e europeus em geral. Já que era algo incomum na época.
Haviam bailarinas trazidas da Argélia e Tunísia, fazendo shows, com figurino inspirado nas pinturas dos orientalistas europeus. Essas seriam as chamadas dançarinas odaliscas que ficaria mais estereotipada com filmes de Hollywood. Mas não eram da comunidade árabe. Ou nem ao menos treinadas do modo correto.
A percursora e primeira professora de dançarinas profissionais aqui no Brasil foi Shahrazad (nome artístico de Madeleine Iskandarian). Nascida na Palestina, filha de armênios. Formou e influenciou bailarinas em 1970 em diante. Criando novos nomes e influenciando novos talentos como Lulu Sabongi (que iniciou carreira em 1985, que em 2007 criou o Centro Cultural Shangrila) e Aziza Mor. Aprendendo assim um estilo mais parecido com o original, não ocidentalizado. 
A dança tem um caráter como representar parte patrimônio cultural  
Aqui em Santa Isabel temos várias escolas com talentos nessa dança. Como no caso podem ver através das fotos do Studio de Dança Bruna Brasileiro, Estúdio de Artes & Dança Aurélio Ribeiro e Samanta Campos(com Mahayla Crystal) e a talentosa Ayla Samah. Vocês podem ver aqui os links diretos para esses posts.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

A Paixão de Cristo: a peça que emociona Santa Isabel


Já se passaram as festividades, assim como a peça em si. Só que contudo, todavia, entretanto, eu precisava mesmo falar dessa que é uma das mais belas tradições da cidade. Trazendo espectadores até mesmo de fora da cidade. A encenação da Paixão de Cristo.
Todos conhecemos determinadas histórias. Sejam de caráter real ou não. Inclusive as de cunho religioso. Muitas vezes, são esquecidas outras não. Em especial, numa cidade com uma carga extremamente grande de religiosidade católica temos muitos fiéis que ainda mantém suas crenças em certos aspectos da Bíblia. Até mesmo os protestantes possuem uma grande admiração por alguns aspectos dos evangelhos do novo testamento. E lógico os mais valiosos, segundo os religiosos, são aqueles que tratam sobre a vida e morte de Jesus Cristo.
A Paixão de Cristo, é o termo usado para descrever os sofrimentos - físicos, emocionais e espirituais - de Jesus que antecederam seu "julgamento" e execução. Se comemora esse fato na Semana Santa. Podemos ler sobre isso nos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João.
Aqui em Santa Isabel, todos os anos, na Sexta Feira Santa, temos a encenação da Paixão de Cristo. Nela temos uma interpretação de como foram aqueles últimos dias do Messias, além de sua crucificação e ressurreição. E já temos mais de dez anos dessa peça! Algo que reúne 10.000 espectadores no mínimo! Não é para qualquer um. Na Praça 1.812 de frente a Igreja Matriz é que esses fatos são encenados.
Tivemos entre os diretores Neto Maia, Emerson Bicudo e Iuri Rodrigues. Esse ano, Emerson voltou ao comando da peça. E seguindo uma mensagem bíblica no Evangelho de João, que é "Eu vim para que todos tenham vida".
Além da liderança de Emerson Bicudo, temos seu texto e adaptação, direção executiva de Homero Vallone, operação de som e luz de "Cabeça" Ultramari, como contra regra João Pedro Oliveira, figurino de Kátia Fornaziero, maquiagem e cabelo de Bene Marcondes, consulta histórica de Adelson Jesus, consulta teológica de Fabiana de Sousa. Sem contar com um grande grupo no elenco trabalhado por um pouco mais de um mês treinando. E se tornou uma tradição entre os isabelenses pelo fato que a peça esta aqui na cidade desde 2000! 16 anos! Se isso não é tradição, eu não sei mais o que é!
Mas mais que qualquer coisa fenomenal ou milagrosa, a história de Jesus Cristo, desde sua juventude até o seu fim, é mais que isso. É uma narrativa onde o amor esta por toda a parte. Que mais do que forças sobrenaturais, o maior dom dos homens esta no seu coração. E que devemos aprender com Jesus o significado disso e do sacrifício por outrem.
Admirem essa peça no próximo ano.

domingo, 3 de abril de 2016

SARAUCORPOLIVRE #02


Segundo Sarau, dessa vez no Estúdio Casa Imagem. [rua Fernandes Cardoso, 102. 13 de maio - Santa Isabel], um pouco depois da Padaria 13 de Maio. É fácil de encontrar. Eu tentarei estar lá! Não quero perder.
Poesia, projeção, intervenções, RUÍDOS visuais etc


traga tua poesia, tua intervenção, teu corpin


[parechein soma]
καιρός


traga tu
traga vozes
traga macintosh plus
tragai-vos


soma(r)

analógico

sábado, 2 de abril de 2016

Lei de Incentivo a Cultura

Dia 06 de Abril de 2016 vai ter na Câmara Municipal de Santa Isabel uma audiência para a aprovação do Plano Municipal de Cultura.
O que é essa lei afinal? Serve para qual finalidade? Auxiliará Santa Isabel no que? E a cultura da cidade? Recentemente, a cidade esta próximo de aprovar uma Lei de Incentivo a Cultura. Logo, isso acarretará em uma mudança na cidade de forma positiva. 
Afinal, que raios é isso? Vejamos:
O Ministério da Cultura sempre apoia projetos de cultura, através da Lei de Incentivo a Cultura (Lei número 8.312/91). Assim como outras leis como a Lei Rouanet, da Lei do Audiovisual (Lei número 8.685/93) e também editais para projetos específicos.
Ok, e isso significa que... O que? Tecnicamente que qualquer projeto com comprovada origem cultural e com modos de provar sua importância, podem ter apoio do governo local (ou até de outros lugares) para dar "vida" a ele. 
Bem para ser mais detalhado, eu vou colocar algo que direi do site do Ministério da Cultura sobre a Lei de Incentivo Fiscal.
"O Incentivo Fiscal (Renúncia Fiscal) é um dos mecanismos do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), instituído pela Lei Rouanet (Lei 8.313/1991). É uma forma de estimular o apoio da iniciativa privada ao setor cultural. O proponente apresenta uma proposta cultural ao Ministério da Cultura (MinC) e, caso seja aprovada, é autorizado a captar recursos junto às pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR) ou empresas tributadas com base no lucro real para a execução do projeto.
O apoio a um determinado projeto pode ser revertido no total ou em parte para o investidor do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária. Para empresas, até 4% do imposto devido; para pessoas físicas, até 6% do imposto devido.
Podem apresentar propostas pessoas físicas com atuação na área cultural (artistas, produtores culturais, técnicos da área cultural etc.); pessoas jurídicas públicas de natureza cultural da administração indireta (autarquias, fundações culturais etc.); e pessoas jurídicas privadas de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos (empresas, cooperativas, fundações, ONG's, organizações culturais etc.).
Proponentes pessoas físicas podem ter até dois projetos. Já os proponentes da pessoa jurídica podem inscrever até cinco projetos ativos no Sistema de Apoio às Leis de Incentivo à Cultura (Salic), compreendidos entre a apresentação de proposta e do relatório final de cumprimento do objeto.
Acima deste limite e até o número máximo de quatro projetos para pessoa física e 10 projetos para pessoa jurídica, somente serão admitidas propostas para o proponente que tiver liberação da movimentação dos recursos captados em pelo menos 33% das propostas apresentadas, considerado o número de propostas apresentadas nos últimos três anos.
Enquadramento do projeto
Os projetos culturais podem ser enquadrados no artigo 18 ou artigo 26 da Lei Rouanet. Quando o projeto é enquadrado no artigo 18, o patrocinador poderá deduzir 100% do valor investido, desde que respeitado o limite de 4% do imposto devido para pessoa jurídica e 6% para pessoa física.
O patrocinador que apoia um projeto enquadrado no artigo 26 poderá deduzir, em seu imposto de renda, o percentual equivalente a 30% (no caso de patrocínio) ou 40% (no caso de doação), para pessoa jurídica; e 60% (no caso de patrocínio) ou 80% (no caso de doação), para pessoa física.
De acordo com a Lei Rouanet, são enquadradas, no artigo 18, as seguintes atividades:
  • a) artes cênicas;
  • b) livros de valor artístico, literário ou humanístico;
  • c) música erudita ou instrumental;
  • d) exposições de artes visuais;
  • e) doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos públicos e cinematecas, bem como treinamento de pessoal e aquisição de equipamentos para a manutenção desses acervos;
  • f) produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e média metragem e preservação e difusão do acervo audiovisual;
  • g) preservação do patrimônio cultural material e imaterial;
  • h) construção e manutenção de salas de cinema e teatro, que poderão funcionar também como centros culturais comunitários, em municípios com menos de 100 mil habitantes."
Então, significa que as empresas iriam apoiar bem facilmente um projeto cultural e artístico, se pudessem se ver livre de alguns reais sendo retirados do seu bolso pelos impostos.
O que acham?

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Instituto de Artes Wonpai Art Centrê: música de todos os tipos e gêneros


Agora vou falar desse instituto que sinceramente, pode ter pouco tempo de vida, mas tem história. E que história.
Seu início vem desde de dezembro de 2014, com maravilhosas aulas de guitarra, contrabaixo, teclado, bateria, prática de banda, filosofia da arte e violão. 

Ele reúne um conjunto de professores únicos e extremamente talentosos em diversas áreas. Vejam alguns nomes. Jorge Raul, guitarrista, produtor musical, professor formado pela EM&T (Escola de Música e Tecnologia), estudou com grandes nomes como Christian McCarthy, Mozart Mello, Michel Leme, Silas Fernandes, Mariza Ramires, Peter Dietrich na Universidade Unisantana, entre outros. Participou de eventos como Sampa Music Festival CPM 22, Gloria, Strike, gravou com o baterista americano Jim Dooley um CD instrumental e participa todo ano, desde 2013, da Expo music, que é a maior feira de música do país, pelas parcerias com a importadora Studio Brazil e a fábrica de amplificadores valvulados Sollo que é de Brasília. Klara Oliver, cantora pop que iniciou
sua carreira com o produtor Jorge Raul, autodidata que esta como professora na Art Centrê e lançará seu CD pelo selo do Instituto, fez eventos como Ressoar da Record, Got Talent Record (seletiva), Máquina da Fama (seletiva), diversas gravações de jingles, participou do programa Murilo Abbas em entrevista na TV Guarulhos (filiada a SBT), participou do programa Câmera na Mão com seu clip (tributo a Rihanna da musica Where have you been). Wellington Lima estudou com o contrabaixista Fernando Tavares, é integrante ativo da banda Alambiques Blues, que lançará um CD, produzido por um conceituado produtor de Guarulhos. É luthier (um profissional na construção e reparo de instrumentos como guitarra, violino, entre outros que usam cordas e possuem caixa de ressonância), formado por mestres nessa área além de ter participado de diversos eventos feitos pela secretária do Metrô de São Paulo, entre outros. Vitor Daniel, outro guitarrista formado pela EM&T, estudou com feras como Christian McCarthy, Mozart Melo, Silas Fernandes. Autor dos métodos ESTUDOS ESSENCIAIS PARA GUITARRA e ESTUDOS ESSENCIAIS PARA GUITARRA DE 7, 8 E 9 CORDAS. Autor do conceituado blog GUITARRAINTELIGENTE. COM que já chegou a receber indicações de instituições federais, a receber prêmios de personalidade do ano, pelas atividades educacionais e culturais.
Participou de eventos culturais na Itália e em lojas de instrumentos nos Estados Unidos, tem demos lançadas pela art Centrê na internet e prepara o seu álbum para este ano. Felipe Viana, guitarrista formado por Vitor Daniel e Jorge Raul, iniciou as suas atividades pedagógicas no Art Centrê, está preparando seu CD instrumental e participou de diversos eventos no cenário underground com bandas e heavy e classic rock. Vincius Lucena, baterista formado pelo professor Fininho, tocou por muitos anos no Ministério de Louvor da Igreja O Brasil Para Cristo Atual Missão Brasil, gravou com diversos artistas gospels e participou de diversos eventos deste cenário.
O Art Centrê tem parceria com Fernando Tavares, tanto que segue um método de ensino criado por ele.
A esquipe do Art Centrê realizou e ainda realiza eventos de diversos tipos no âmbito cultural. No currículo estão: Guitar Festival com importantes guitarristas do cenário paulistano como Marcio Sanches, Maurício Fernandes, Alexandre Bastos; palestras com Fernando Tavares e Milton Medusa acontecerão ainda este ano; Natal solidário Art centrê 2015, organizado por Klara Oliver com o apoio de alguns comerciantes locais, presenteou cerca de 150 crianças e mostrou cultura e arte de diversas formas. A escola atende 30 alunos particulares e da bolsa para mais 10 alunos, A Art Centrê tem parceria com as empresas Studio Brazil, Sollo Amps e PHX Guitars e instrumentos, É uma gravadora, loja, Luthieria, pub, e editora. Trabalham também com as marcas Albion (amplificadores) e D'orazio Strings (cordas)
Ela chegou para trazer a indústria da arte musical para Santa Isabel, situada na Rua Francisco Pereira de Souza, 248 no Bairro Vila Nova.