terça-feira, 8 de novembro de 2016

Atelier Yacamin


Vamos tratar aqui sobre o Atelier Yacamin, que abriu em abril de 2016 possuindo uma grande gama de aulas e cursos variados.
No estúdio você poderá ter aulas de pintura em tela, desenho, artes indígenas, musicais com teclado, sanfona, baixo, bateria, violão, guitarra, sax, flauta, canto de coral, pintura em tecido e violino. Os preços a partir de 45,00 R$ e dependendo de qual curso queira. Boa parte deles já era professor no Centro Cultural de Santa Isabel.
Nos desenhos temos Eddy Manzini que já mostrou grande talento em HQs. André Caetano concede aulas de baixo e violão. Thais
Mayara é professora de flauta e sax. Agenor Vallone é quem ensina bateria, sendo que já tocou com bandas como Santarem. Adonai Fagioni é quem cuida das aulas de guitarra. Já Otoniel Augusto é encarregado do curso de teclado e sanfona. Marcelo Almeida é quem concede aulas de violino. Francisco Machado esta envolvido com pintura em tela e artes indígenas.
A intenção do estúdio é disseminar arte pelo município e quem sabe fora dele. É mostrar de maneiras diferentes os trabalhos produzidos pelos alunos juntamente com os professores. Por enquanto não participaram de nenhum evento, mas logo isso mudará
Fica na rua Diogo Batista Nunes, 125 Centro, em Santa Isabel. Seu telefone é (11) 98127-0473.

As placas de Santa Isabel







Reconhece de onde é cada uma?
(ATUALIZADO: 15/12/2016)

(ATUALIZADO: 14/04/2017)


(ATUALIZADO: 27/07/2017)

(ATUALIZADO: 06/08/2017)

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Igreja de Nossa Senhora do Monte Serrat e Capela de São Benedito

-Igreja de Nossa Senhora do Monte Serrat
Localizada no final da ladeira do Monte Serrat, construída em meados do século XIX, mais uma vez utilizando a mão de obra escrava. Assim como foi no caso da Igreja do Rosário. O material original da construção também foi taipa. Possui uma só nave, com duas torres e uma cruz central. A imagem da santa atual é uma cópia, roubada há anos, que teria vindo da França, segundo consta, pelas mãos dos devotos. Ficando no topo, ela concede uma bela vista de boa parte do Centro, além de grande parte dos bairros da cidade.
A festa de Nossa Senhora do Monte Serrat é comemorada em agosto.





-Capela de São Benedito
Assim como as igrejas do Rosário e do Monte Serrat, a capela de São Benedito foi construída por mãos de negros escravizados. Lembrando que o santo era padroeiro dos escravos.
Junto a ela foi construído monumento histórico (marco) comemorativo a libertação dos escravos, que foi construído em 19 de fevereiro de 1888. Existem relatos que a cidade já teria libertado seus escravos antes da Lei Aúrea ser assinada.
A Capela São Benedito não pertence a Cúria Metropolitana, foi construída pelas mãos escravas para abrigar a imagem do santo protetor dos escravos. Mas não se encontra fontes da data de sua construção.

Recentemente, as missas são feitas em uma outra igreja ao lado.

A história do bairro dos 13 de Maio


O bairro 13 de Maio é considerado um dos mais aconchegantes daqui. Hoje em dia contêm uma grande variedade de comércios e serviços para auxiliar a população de Santa Isabel. Para promover de forma social, cultural e festiva o local, além de resgatar antigas tradições realizando novos eventos, foi criada a ação coletiva "Nos 13 Tem".
A história do bairro esta intimamente ligada a história da escravidão em Santa Isabel. Suas terras eram uma enorme fazenda pertencente a Maximino Antonio de Camargo, fazendeiro e co-fundador do Clube Abolicionista e Republicano juntamente com Fernandes Cardoso e o Major Guilhermino Mendes de Andrade.
Com a abolição da escravidão, sem terem para onde ir, já que não estavam inseridos na sociedade que era ligada demais nesse sistema, continuaram muito dependentes de seus senhores. Assim, eles acabaram se instalando nas dependências das fazendas. Dando origem ao bairro, e com isso, diversas tradições, entre danças e rezas, tais como a Congada e Moçambique.

domingo, 6 de novembro de 2016

Dia Internacional da Animação

Nos dias 28, 29 e 30 de outubro de 2016, ocorreu no Estúdio Casa Imagem o Dia Internacional da Animação. Uma mostra de curtas de animação nacionais e internacionais. O estúdio fica na Rua Fernandes Cardoso, 102, no Bairro 13 de Maio. 
A data oficial do dia é 28 de outubro e se prolongou pelos outros dias. Nos dois primeiros dias ocorreram diversos tipos de curtas nacionais e internacionais. No terceiro e último dia ocorreu a mostra de animações infantis. 
Além disso tivemos oficinas. Dia 29 deve stop motion. Esse processo consiste em utilizar a disposição sequencial de fotografias de um mesmo objeto para simular movimento. Já no dia 30 ocorreu o pinhole, que consiste em uma técnica alternativa sem a necessidade de equipamentos e reveladas as imagens durante a própria oficina.
A realização se deve a Associação Brasileira de Cinema de Animação. Produção da Thomates Cartuns, Besouro Filmes e Making Comunicação e Cultura. Deve apoio da MASPLAM com apoio local da Prefeitura de Santa Isabel, WD Comunicação Visual, Distak e, lógico, da Casa Imagem. 
Deve ampla divulgação nas escolas, na ETEC, no Centro Cultural, estúdios e na Gibiteca.


sábado, 5 de novembro de 2016

Dança jazz: origem e chegada no Brasil

jazz é uma expressão corporal criada e sustentada pelo improviso. Na sua raiz, é essencialmente popular. Sua evolução natural veio paralela aos ritmos musicais que surgiram nos Estados Unidos com escravos que não estavam cansados ou doentes nos navios negreiros vindos da África, eram obrigados a dançar para manter a saúde. As danças dos brancas eram poucas (valsas e quadrilhas) e sem um ritmo atraente. Os negros os imitavam, ridicularizando seus senhores, mas seguindo as informações daquele estilo, as misturando com os de sua cultura. 
Dessa forma surgiu o jazz: uma imitação dos ritmos europeus com os costumes e ritmos negros.
Com a proibição dos tambores nos EUA em 1740 para evitar revoltas eles foram obrigados a executar suas danças com outras formas de som, culminando com as formas de jazz que conhecemos atualmente. Isso foi contornado no século XX, as danças afro-americanas começavam a penetrar nos salões e a sofrer as influências do can-can e do charleston, principalmente. Logo tomou conta dos palcos da Broadway, se transformando em grandes produções de comédias musicais. Isso alcançou os cinemas. A popularização do jazz através do cinema musical iniciou se através de filmes consagrados principalmente pelos atores e bailarinos Fred Astaire e Gene Kelly. Esse tipo de filme alcançou seu auge com musicais produzidos pelos coreógrafos Jerome Robbins, como West side Story e Bob Fosse, como CabaréChicago e All the Jazz. Muitos deles sendo produzidos mais de uma vez.
Essa forma de expressão é conhecida sob vários nomes: jazz dancesoul jazz, free style e jazz.
As "novas" danças, as danças americanas, com essência africanas, desenvolveram se tanto nos teatros quanto nos salões de dança, bares e cafés. Muitas destas danças não tinham nomenclatura definidas e eram tantas que devido á fase de grande criação todas eram chamadas de jazz, ou seja, tudo que era novo em termos de dança era jazz.
No Brasil, determinadas formas de ginástica e outras atividades físicas são muitas vezes confundidas e englobadas como a mesma coisa. Sabe-se que essa dança foi amplamente divulgada aqui por meio da televisão e teatros de revista.
A dança jazz iniciou como modalidade específica de dança, a partir dos anos 50, onde foi inserida na grande curricular de centros artísticos, academias e escolas de dança, sendo suas principais movimentações técnicas: isolamento dos segmentos corporais, as movimentações herdadas das danças africanas, como a sensualidade e os amplos movimentos do tronco, o posicionamento de pernas e pés paralelos e a utilização de outras técnicas (ballet, contemporâneo) além da marcante presença de expressão facial.
Atualmente o jazz sempre evolui exigindo de professores sempre estarem em contato com novas formas de movimentos. Mostrando que o jazz pode sofrer novas influências, mas que mantêm certos aspectos de sua essência.
Hoje em dia, o jazz no mundo incorpora figurinos elaborados, temáticas diferentes, pesquisas de linguagem, incorporação de movimentos de outras técnicas de dança, entre outras tantas coisas que tornam o estilo único e bem forte. Ainda assim que perdeu muitas de suas características durantes os anos, sendo que pode ter mudado sua estrutura completamente.
Mais uma vez agradeço Norma Espínola que sempre me concede dados muito precisos sobre as danças. Obrigado mesmo!

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

EXPOBEL


Nos dias 21, 22 e 23 de outubro de 2016 ocorreu a quarta edição da Expobel. Essa é uma exposição de produtos agrícolas e industriais, além de comércio, serviço, artesanato e turismo. Ele ocorreu dessa vez no Ginásio Municipal de Esportes. Além de contar com vários expositores de diversos tipos e atrações musicais e de dança, contou com uma praça de alimentação com food trucks.
Os horários foram dos primeiro dia, das 18h às 22h. No segundo, 10h às 22h. E no último das 10h às 20h. Organizado pela Prefeitura de Santa Isabel, COMTUR, CIESP de Santa Isabel, ACISI e Arena Food Truck.
Entre os estantes que estiveram lá tivemos Recanto Apoema, STWood, Cahe, Ydeya, Brunnu's, New System Segurança Automotiva, CIESP, EcoBel, De Tommaso, Via Art Sign, Nova Canaã, Kumon, DEColores, Inove
Eco Movéis, entre outros. 
No primeiro dia tivemos a apresentação da banda marcial da Escola Municipal João José de Almeida Filho. Depois, no segundo e terceiro dias tivemos a apresentações do Stúdio de Dança Bruna Brasileiro, com as apresentações do Estúdio de Artes & Dança Aurélio Ribeiro e Samanta Campos e do Espaço Expresão Dança só no dia 22. Todos esses foram dentro do Ginásio.
Além da banda Capitão Taverna no palco de fora. E para fechar a última noite, tivemos o projeto Batê Lata abrilhantando o fim das atividades.






quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Minha opinião sobre os cães abandonados em Santa Isabel

Quem me conhece de Santa Isabel, sabe como amo animais. Dos mais diversos tipos e tamanhos. De raça ou vira-latas. E conheço tantas pessoas que lidam com animais de forma amorosa com esse anjos de quatro patas. Sempre lidando com suas doenças, com seus filhotes e tantas outras coisas normais para animais domésticos. Eles nos concedem grande amor sem darmos muito a seu favor. E o que concedemo a eles? 
Muitos dos donos de animais aqui da cidade creem que esse relacionamento com cães, gatos e toda a espécie de pets tem data marcada. "Como assim Luis?" Explico: a verdade é que muitos abandonam bichinhos indefesos por vários cantos de Santa Isabel. Desde o Novo Éden até o Eldorado, como sempre falei. As pessoas mostram com isso como a região tem muitas pessoas sem educação, ou amor, visto que é impossível não ver um bairro onde não tenha um dessas criaturinhas abandonadas.
Vamos ver um caso bem clássico. Pessoas que vão para o Recanto do Céu notam uma grande quantidade de cães deixado a própria sorte. Muitas vezes filhotes, cachorros ficam ali, como filhotes, ou idade adulta avançada. Tem coisa pior! As vezes, cadelas grávidas são abandonadas por lá! Isso já ocorreu duas vezes! E outra vez abandonaram uma gata prenha! Tanto que minha tia tem muitos deles lá no sítio.
O que quero com esse artigo é conscientizar você leitor. "Mas é função do município capturar os animais". Sim. E nossa de não deixar eles soltos por ai. Sem ajudar. Pois existem aqueles que o fazem, já que não podem adotar esses seres cheios de carinho. Deixam comida e os auxiliam como podem. Agora uma dica para você que abandona animais... Pense que quando faz isso, aquele cão ou gato ou qualquer tipo de bicho que tinha, ele poderia ser seu filho, sua mãe, parente mais velho, ou marido e até mulher. Parar e pensar é um jeito elegante de disser, "mudei de ideia". Pois se não o fizer, pode morrer burro, acreditando estar certo que isso ajuda em alguma coisa.
Lide com suas ações. Antes e depois. Animais não são objetos. São vidas.
Detalhe: ontem, antes de eu terminar esse texto, alguns gatos foram abandonados. Próximo do cemitério. Entenderam como esse post é necessário? Sendo que eu já tinha começado esse texto a algumas semanas no mínimo. 

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

A história da escola Maria dos Santos Bairão


Para falarmos sobre a escola Bairão, devemos falar primeiro sobre a escola Santa Isabel. Ou melhor Ginásio Estadual de Santa Izabel. 
Eu explico: em 1952 o Ginásio Estadual de Santa Izabel foi criado pela lei n 2042 de 24 de dezembro de 1952. Ele não se localizava onde esta hoje em dia. Isso só mudaria poucos anos mais tarde.
Mais precisamente em 1956, o então prefeito da cidade, José Basílio de Alvarenga, em 18 de dezembro desse ano, pede a instalação e funcionamento do ginásio para o ano letivo no ano seguinte. Comprometendo-se então a entregar um prédio, a ser alugado e reformado pela prefeitura para uso escolar. Tudo isso pela proclamação 26-386/56.
Um detalhe que deve ser notado aqui: nessa época, era usado Santa Izabel, com Z. Diferente de hoje em dia. Os documentos que averiguei usam esse tipo de escrita, portanto, manterei assim.
Em 1957, ocorreu o relatório de verificação prévia através das instruções de acordo com instruções recebidas pela Inspetoria Seccional de São Paulo. Assim podendo se instalar a escola em sua atual localização. 
Por ato da época, em 29 de janeiro de 1957, foi designada para instalar e dirigir o Ginásio, dona Aida Richter. Tomou pose em 7 de fevereiro do mesmo ano. Ainda nesse época, procedeu-se as matrículas dos alunos da 1 série do curso ginasial. Tinham cerca de 34 alunos efetivos e começaram as aulas em 22 de março.
Entre as matérias comuns na escola eram administradas pelo seu corpo docente português, matemática, ciências, história e geografia. Quando digo comuns, me refiro a matérias que hoje em dia ainda são ministradas nas escolas públicas (estaduais ou municipais) na grade curricular comumente. Já nas aulas extraordinárias tínhamos latim, ciências naturais, francês, história do Brasil, geografia geral, trabalhos manuais, educação física (ao qual os horários eram divididos entre os dos garotos e outro para as garotas).
O Ginásio Estadual de Santa Izabel em 1986 mudou para EE Professora Maria dos Santos Bairão.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Instituto Musical Icoed


Como já dito, muitas vezes passamos por determinados lugares sem perceber certos lugares ou pessoas. Este é o caso do Instituto Musical Icoed. Que fica na ??? ???.
Ele esta ali a pouco mais de um ano, e tem como seu fundador e idealizador, Lucas Villela. A meta desse estúdio é tornar mais fácil e acessível a música para aqueles sem condições. Além de se tornar mais uma opção para os interessados nessa arte.

Além de ter preços bem acessíveis, concede algumas bolsas aos alunos (de 4 a 3 meses) de forma totalmente gratuita. Mais uma grande ideia, visto que uma de suas metas a viabilidade de jovens músicos e cantores. 
Entre os cursos ensinados lá temos violão, guitarra, bateria, teclado, cavaquinho, banjo, flauta irlandesa, flauta doce, bandolim, violino, canto e percussão. Já os nomes dos professores temos Luan Unelmoija (banda Eldhriminir), Tiago Campos (que toca na Paróquia de Nossa Senhora Aparecida), André Caetano (Ministério Eric Rodrigues), Leandro Passos (banda Samba Novo), Miqueias e Cláudio.
Além de tudo que já foi escrito, o espaço pretende criar uma atmosfera familiar, onde os alunos se sintam confortáveis, assim como os pais dos mesmos, em deixar seus filhos ali. Lembrando que os alunos podem ser dos sete anos adiante, ou seja, uma grande gama de alunos jovens. E contam com cerca de cinquenta alunos já.
Em dias de semana abrem de segunda a sexta, das 9:00 da manhã até as 21:00 horas. Aos sábados, das 9:00 da manhã até as 17:00 horas. Entre uma de suas estrelas esta a jovem e talentosa, Vitória Fênix.