sexta-feira, 10 de março de 2017

Eventos importantes em Santa Isabel

Eventos importantes em Santa Isabel
Mês
Eventos
Abril
Semana Santa, apresentação da peça Paixão de Cristo, Festa em Louvor a São Benedito.
Maio

Junho
Tapetes de Corpus Christi.
Julho
Festa de Nossa Senhora de Santa Isabel, aniversário da cidade e festa da cidade.
Agosto
Festa de Nossa Senhora do Monte Serrat
Setembro
Festa de Nossa Senhora do Brotas e de Nossa Senhora da Piedade.
Outubro
Festa de Nossa Senhora Aparecida (festividades na Aparecidinha) e de Nossa Senhora Tereza D’Ávila.
Novembro
Semana Maurício de Souza e Dia da Consciência Negra.
Dezembro
Festivais de dança dos estúdios Bruna Brasileiro de Dança e Espaço Expressão .


quinta-feira, 9 de março de 2017

Homenagem ao Dia Internacional das Mulheres: Dona Tereza Caraça

Esse texto é atrasado com relação a comemoração do Dia Internacional das Mulheres. Mas queria muito homenagear a mulher mais marcante na minha vida: minha mãe. Tereza Caraça.
Já conheci muitas mulheres lindas, talentosas na dança ou na música, pessoas magníficas com uma inteligência e habilidades únicas. Contudo, falem o que quiser, nenhuma tem a fibra de minha mãe.
Vinda de uma família relativamente grande e bem humilde. Tinha como irmãos Benedita, José e Luis, e como pai Francisco Bicudo Caraça. Sua mãe morreu muito cedo. O que fez as crianças amadurecerem desde cedo.
Sempre quis estudar, mas seu pai não permitia. Então ela o fez. Escondido. Ficava com lápis bem pequeno, pois não tinha como comprar muito material de estudo. Ainda assim só conseguiu chegar até a quarta série.
Mesmo com pouco estudo, sua vida foi de trabalhar. Fosse dentro do sítio da família, na lavoura, fosse na cidade, como empregada. Tanto que nesse último serviço ela conheceu um garoto com nome de Luis Eduardo. E esse nome seria usado mais tarde.
Depois de certo tempo, ela conheceu um rapaz que seria seu futuro marido. Contudo, ele não era exatamente quem ela acreditava. Osmar não era um protótipo de homem, nem de pessoa. E maltratava Tereza.
Ainda assim, ela seria agraciada com um filho. Muito ingênuo, cheio de manias e inquieto quando criança. Seu nome seria o mesmo da criança que Tereza cuidava quando era mais nova, Luis Eduardo. Achava nome bonito, de gente importante.
Como seu antigo marido era uma pessoa perigosa, que batia nela e na criança, ela se separou dele. Vivendo ela e a criança, sendo ajudada pelos irmãos com a criação de seus filhos. Uma pessoa que deve que fazer as vezes de pai e mãe.
Ela o criou como pode. Muitas vezes quando ele fazia algo errado ela o repreendia do melhor modo que podia. Broncas, varinha de marmelo, tudo isso constituiu o caráter daquele rapaz. Nunca foi um filho perfeito, mas é alguém que ama sua mãe.
Quando o garoto matou aula uma única vez na vida, ela puxou a orelha do garoto da escola até sua casa. Ela nunca pediu perdão por atitudes assim, pois essa era a forma dela de mostrar seu amor.
Por tudo isso, mais do que um talento como dança, música, desenhos, pinturas e qualquer tipo de arte, mesmo não sendo a pessoa mais versada em diversos conhecimentos... Ela tem algo que as pessoas nunca tiveram: a fibra para cuidar de um filho nos períodos felizes e de crise. Ela é mais que uma mulher. Ela é uma batalhadora. Minha homenagem a Tereza Caraça.



quarta-feira, 8 de março de 2017

"Histórias de Amor e Morte" de Luiz Del Nero Netto

Qual não foi minha surpresa, quando uma professora me falou sobre esse escritor. Luiz Del Nero Netto, o “Netinho”. Colunista e jornalista do Jornal O Ouvidor. Até mesmo na parte de trás de seu livro ele escrevia que era “o último dos jornalistas boêmios”. Ou seja, aqueles que muitas vezes escreviam suas pautas em uma mesa de bar. Mas era muito meticuloso.
Prova disso está em uma história que ouvi do próprio Roberto Drummond Melo Silva sobre o autor. Segundo ele ocorreu o seguinte: em certa época, ele teria ido até uma empresa, ao qual viu uma propaganda que estava escrita de forma errada. Ou seja, saindo dos parâmetros da gramática. Luiz tinha uma conversa tão agradável que foi chamado para a empresa, e subiu postos até a diretoria de empresas multinacionais.
Seu livro Histórias de Amor e Morte é a coletânea de histórias publicadas por ele ao longo de dois anos. Com histórias inspiradas pelo povo, pelo imaginário ou de páginas de jornais de sua época como jornalista, mostrando os duros limites entre o amor e o ódio.
Foi publicado pela Editora Jornalística de Igaratá (a mesma do Jornal O Ouvidor). Com capa feita pelas mãos do artista Sandro Camargo e prefácio do próprio Roberto Drumond Melo Silva, seu antigo colega. Contêm só 80 páginas.
A seguir uma das histórias da obra, O casamento:
“Tinha começado na difícil “vida fácil” aos dezoitos anos. Aos vinte e três, já com boa experiência e algum dinheiro guardado, começou a pensar em deixar o bordel. Então, ele apareceu. Boa pinta, alto, forte, moreno, bem proporcionado de peso e muito simpático, tinha até um bom emprego. No começo pagava. Depois ela começou a “ir no amor”. Afinal era gentil, diferente dos demais. Levou-a para passear, distrair-se e cobriu-a de atenções. Deixou-se seduzir impulsionada pela carência que
tinha um apoio forte, de conviver com alguém que visse nela algo mais que apenas mercadoria que se pode comprar, quando se tem necessidade de sexo. Desenvolveu por ele uma fantasia de namorada. Começou a sonhar com vestido de noiva, altar e música de casamento. Foi então que ele propôs. Quase morreu de emoção. Juntaram o dinheiro de ambos, alugaram casa, mobiliaram-na e se casaram. Como nos romances para mocinhas de antigamente.
Dois meses após, chegou em casa com um amigo. Ela serviu “drinks” e correu para melhorar o jantar. Estava na cozinha aumentando a salada, quando ele entrou. “Não se preocupe – disse. O Alberto não veio aqui para isso”.
“Uai! Veio então para o que?” perguntou surpresa.
“Para ficar com você”.
Gaguejou, quis falar mas ele não permitiu.
“Olha. Vou sair e volto daqui a duas horas. Cuida bem do homem que até já pagou. Se quando eu voltar ele se queixar, te arrebento na porrada”.
Ficou estatelada. Ele saiu.

No dia seguinte, o mais novo cafetão da praça pediu demissão no bando, onde era caixa.”

segunda-feira, 6 de março de 2017

Fotos das igrejas atualmente

Igreja Matriz de Nossa Senhora Santa Isabel
Igreja de Nossa Senhora do Rosário
Capela São Benedito (atual)
Capela Bom Jesus

Capela São Benedito (privado)
Igreja de Nossa Senhora do Monte Serrat
Igreja de Nossa Senhora das Brotas

domingo, 5 de março de 2017

Por dentro dos estúdios: Yacamim Arte e Música

Aqui colocarei fotos dos espaços artísticos da cidade. Tentarei ir em cada um (não dá para ir em todos, visto que alguns são exclusivos para mulheres e tento ser respeitoso com a privacidade) para mostrar como são desenvolvidos os trabalhos. Mostrando materiais, obras e o próprio espaço de aula e trabalho. Confiram agora o Yacamim





















sábado, 4 de março de 2017

Projeto Judô ao Ar Livre


O Projeto Judô ao Ar Livre é um projeto de aulas desse esporte (como o próprio nome diz) é ao ar livre. Encabeçado por Ricardo Queluz Mororó, com apoio da Revista Inovar, ele começou a cerca de dois meses na cidade. Aproximadamente em dezembro de 2016. 
Ele consiste em ensinar judô gratuitamente na Praça Fernando Lopes, de frente a Lanchonete Espaço do Açaí. Sempre em dias de segunda, quarta e sexta durante a semana. Dividido em dois horários:
-das 19:00 as 20:30 para crianças de seis a onze anos de idade;
-das 20:30 as 22:00 para adolescentes de doze anos e dezoito anos. Além de adultos.
Nos dias de chuva, anteriormente, os treinos ocorreram no CPP (Centro do Professorado Paulista de Santa Isabel). 

Por dia, as aulas contam com dez alunos por dia. 
Entre os patrocinadores temos a Revista Inovar, Link Informática, Floripa Papelaria, Distak Foto & Imagem, Andrade Auto Peças e Acessórios, Camargo Seg, Gauchinho Restaurante e Churrascaria, Clínica Saúde, Stúdio Pilates, Super Visão Vistorias Automotivas, Stúdio de Dança Bruna Brasileiro, Ópticas Centro Optico, Clínica Veterinária Vetbel, Graxinha Lubrificante, Instituto Musical ICOED, MGV Tinta Automotivas, Maggiore Eventos, Espaço Olinda - Eventos Especiais, GOU - Clínicas de Odontologia e Padaria Nova Santa Isabel. Um grande apoio não acham?

sexta-feira, 3 de março de 2017

Caravana para o Anime Friends em Santa Isabel

Três vezes maior que esperado, o Anime Friends chegou pra detonar 2017 e a caravana de Santa Isabel também. Tanto que o Wesley Hudson está oferecendo seu console Nintendo Wii, semi-novo, personalizado em um sorteio para quem embarcar com a gente nesta nova aventura. Também teremos sorteio de alguns mangás sortidos. Para maiores informações chame no inbox do Facebook, Sydon Lee. Além dos números de contato ali embaixo.
Observação: a pessoa que comprar ingresso com eles e mencionar que viu este blog ganha um mangá!

quinta-feira, 2 de março de 2017

Artista isabelense participará de evento internacional de graffitti

Anteontem, dia 08 de fevereiro de 2017 (dia que li essa postagem no Facebook) vi essa imagem com alguns dizeres de um artista local, Tolito Eduardo. Só para que saibam esse atualmente é o segundo maior (talvez se torne o maior, leia mais adiante) evento de graffite da América Latina! O Street of Styles, que esta em sua sexta edição agora em 2017. 
Tolito se classificou para participar do evento. Coisa que nem um renomado artista do ramo, Binho não se classificou! Uma grande honra. Pois irá pintar com os grandes nomes dessa arte.
O Street of Styles acontecerá em três dias seguidos em Curitiba. Entre outras coisas contará com no mínimo quinze workshops de artistas como Lian, Cueia, Edmun e outros muito conhecidos nesse área. Entre alguns shows do evento no ano retrasado estava O Rappa, e ano retrasado foi a vez de Criolo e Planet Hemp. Ou seja, só nomes importantes em várias áreas. 
Além de Tolito, Renan Menezes também vai mais como convidado. Ambos são do Ink Cap Studio.
Isso mostra, mais uma vez, os grandes talentos na nossa cidade.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Dito Pituba: o artista sacro isabelense e sua obra reconhecida nacionalmente


O artista Benedicto Amaro de Oliveira (1848-1923), mais conhecido como “Dito Pituba”, nascido em Santa Isabel-SP, e é considerado um dos maiores santeiros populares do Brasil. O trabalho de Dito Pituba representa a cultura caipira como desdobramento da sociedade bandeirista e pode ser admirado em grandes instituições, como o Museu de Arte Sacra de São Paulo (a cinco minutos a pé do metrô Armênia) ou de Antropologia no Vale do Paraíba (que fica em Jacareí) e o Museu de Aparecida. Além de ter encontrado encontrado muitas pesquisas na internet sobre o trabalho desse artista de origem isabelense. Sem contar uma imensa lista de igrejas nas quais seu trabalho esta espalhado pelo Brasil. As quais, algumas imagens são chamadas de "paulistinhas".
Começou seu estilo de arte com barro cru e cosido, aos vinte e dois anos, depois foi para a madeira gesso. Com isso produziu imagens de santos, oratórios e divinos, com cerca de 15 a 20 centímetros. 
Ele ajudava desde cedo seu pai em uma olaria, no Bairro do Geremuniz, onde nasceu. Lá produzia tijolos, telhas, manilhas e panelas de barro. E com seu conhecimento em artesanato passou para a arte sacra. Com a ajuda de seu genitor preparava o barro e a tinta de urucum que misturado com aívaiade se apresentava grossa e mais apropriada para o acabamento de suas obras. Os oratórios
eram feitos com pinho europeu, usando caixas de embalagens vindas de Portugal. Um prego fixado na base das imagens de madeira era preso de baixo para cima, uma característica sua para disfarçar a presilha.
Suas obras tinham vendedores por todo o Vale do Paraíba e sul de Minas Gerais que visitavam as fazendas. Sem contar que também recebia encomendas.
Entre os materiais de suas obras estão barro, madeira e gesso. Ele foi um dos últimos santeiros que adotavam o estilo "Paulistinha". O termo se refere a um tipo de imaginária sacra feita de barro e era de produção popular exclusiva do estado de São Paulo, já que nunca foram encontrados exemplos desse estilo em outros locais do Brasil.
As principais características dele são o tamanho reduzido, que varia entre 15 e 20 centímetros de altura, que eram colocadas dentro ou fora de casas. Mesmo possuindo características portuguesas, a simplicidade dos traços evidencia a diferença entre o paulista e o lusitano. 
Sua obra integra o acervo de muitos museus, coleções particulares como já foi falado antes. Conservados de uma ótima maneira imagens, oratórios e arabescos feitos por esse mestre. E é possível notar quais são suas obras por sua iniciais em letras góticas inclinadas (B. A. O.).
A Câmara Municipal de Santa isabel homenageou o artista conferindo seu nome a uma rua do bairro do Cruzeiro. Dito Pituba trouxe consigo a arte barroca européia, com características de nossa região.
Há um acervo em Santa Isabel com obras do artista, mas é fechado para a visitação. Entre uma das exposições sobre o artistas esta Uma Assinatura na Arte Anônima: dito Pituba, que ocorreu em 2013.
Entre as obras que podemos ver sempre no Museu de Artes Sacras de São Paulo estão São Benedito, Nossa Senhora Com O Menino, Senhor Morto, Cristo da Ressurreição, Nossa Senhora Aparecida e o Divino Espírito Santo. O museu fica localizado na Avenida Tiradentes, 676 - Luz, São Paulo. Os ingressos são vendidos a preços populares.
(ATUALIZADO: 04/11/2017)